Usuários podem seguir interesses através de hastags, como se fossem perfis próprios.

Sim, o Instagram tem uma nova atualização. Além mudar sua timeline, alterar a forma como a publicidade se insere no Stories, habilitar regram e gifs, o Instagram tem, sim, mais uma atualização. Depois de alguns meses de teste, a companhia liberou uma função que permite os usuários seguirem seus interesses através de hashtags, como se fossem perfis próprios.

Dessa forma, o conteúdo vai se atualizar automaticamente em seu feed, conforme novos materiais forem postados. Para combater possíveis spams e conteúdo aleatório, o algoritmo do Instagram selecionará as melhores fotos, de acordo com qualidade e hora de postagem. Para evitar o envio de materiais ofensivos, centenas de pessoas estarão monitorando e reportando casos de assédio em geral.

UM FILTRO MAIS COMERCIAL
A ferramenta representa uma das ações que expressão a missão do Facebook em “bring the world closer together”. Como em grupos, as hashtags possibilitam que os usuários saiam de sua pequena bolha de amigos e explorem interesses em comum com o resto do mundo.

De certa fora, não parece uma atualização. O fato de buscar interesses além de seu círculo de amizade já era feito antes – até porque existe um limite de quantas selfies de verão uma pessoa consegue aguentar ver. A atualização soa mais como um ajuste sutil de percurso que busca uma abordagem mais comercial.

Antes um espaço para conhecidos trocarem figurinhas sobre seus almoços, o Instagram agora está correndo no mesmo caminho que os influenciadores que abriga. Com uma timeline sem atualizações em ordem cronológica e com posts patrocinados por toda a casa, seu conteúdo se volta para encurtar caminhos que ainda seguram o usuário: interesses mútuos.

Mesmo que não seja exatamente por isso que você baixou seu aplicativo há cinco anos atrás, ainda sim é uma mudança inteligente, conduzindo a rede social para se tonar uma vitrine de assuntos, criadores e interesse nichados. São diferentes universos que dividem o mesmo lugar em harmonia, falem eles sobre fitness, arte, quadrinhos, quotes, blogueiros ou booktubers. É como se a empresa fosse um grande catálogo de influência que está aprendendo a fazer o usuário chegar à informação de maneira rápida. Direta.

A função mantêm a rotina da rede social, a não ser por talvez fazer o aplicativo disputar acessos específicos com influenciadores. Enquanto o Stories enterra a Timeline, o Instagram perde seus contornos hipsters e abraça um filtro muito mais comercial – o que, ainda, não soa como uma atualização.

Fonte: http://www.b9.com.br

Por Ana Roza